UFOBSCIENCE

Pos

 

A Engenharia é reconhecida como uma disciplina ocupacional que contribui significativamente para o desenvolvimento da sociedade moderna, visto que seus profissionais projetam e constroem infraestruturas que sustentam a sociedade. Em suas mais variadas áreas a Engenharia propõe novos sistemas de comunicação, sistemas de transporte e fábricas, bem como canais, túneis, instalações de saúde e etc. Em particular, a integração da Engenharia Industrial e de Sistemas pode facilitar o processo de efetividade das infraestruturas. É importante destacar conceitualmente as duas áreas quanto ao escopo de atuação:

Engenharia Industrial: pode ser descrita como a aplicação prática da combinação de campos de engenharia em conjunto com os princípios da gestão científica. É a engenharia dos processos de trabalho e a aplicação de métodos, práticas e conhecimentos de engenharia às empresas de produção e serviços. A engenharia industrial coloca uma forte ênfase na compreensão dos trabalhadores e suas necessidades, a fim de aumentar e melhorar as atividades de produção e serviços (BADIRU, 2014).

Engenharia de Sistemas: envolve um reconhecimento, apreciação e integração de todos os aspectos de uma organização ou instalação. Um sistema é definido como uma coleção de elementos inter-relacionados que trabalham juntos em sinergia para produzir uma saída composta que é maior que a soma das saídas individuais dos componentes. Uma visão sistêmica de um processo facilita uma inclusão abrangente de todos os fatores envolvidos no processo (BADIRU, 2014).

Uma visão sistêmica da engenharia industrial engloba todos os detalhes e aspectos necessários para a aplicação de habilidades e inteligência para produzir um trabalho eficiente. No entanto, o currículo acadêmico da engenharia industrial deve mudar, evoluir e adaptar-se ao ambiente de mudança de sistemas da profissão.

Nesse sentido, o escopo do EEIS passa pelos níveis de atividade, tarefa, trabalho, projeto, programa, processo, sistema, empresa e sociedade. É essencial reconhecer a atomicidade entre a "indústria", de uma perspectiva global e a engenharia industrial como a base central da profissão. A profissão passou por muitas transformações ao longo dos anos. Assim, testemunhou o surgimento de profissionais de engenharia industrial que reivindicam lealdade exclusiva a alguma linha restrita de prática, foco ou especialização, em vez da própria profissão principal.

Por fim, a indústria é a base original da engenharia industrial e deve ser preservada como o foco principal de abordagem, devendo ser apoiada pelas diferentes áreas de especialização. Embora seja essencial que estendamos o escopo da engenharia industrial para outros domínios, deve-se perceber que a superdiversidade da prática não sustentará a profissão. A fragmentação contínua da engenharia industrial é uma das principais razões para uma proposta de especialização como esta. Uma profissão fragmentada não pode sobreviver por muito tempo. A incorporação de sistemas pode ajudar a unir tudo.

 

BADIRU, Adedeji B. Handbook of industrial and systems engineering. CRC Press, 2004.

 

Topo